sexta-feira, 6 de março de 2009

O primeiro ano de faculdade...

Começo de ano é uma complicação, a bixarada eufórica quer fazer tudo para ontem. O professor fala: Leremos Watt para a próxima aula.
Quando ela cerra os lábios, três ou quatro malucos já estão na biblioteca e uma dúzia na xerox. Eles querem tudo para ontem.
As filas são quilométricas para tudo. A cantina fica sempre cheia. Os ônibus abarrotados de pobres coitados desesperados para ocupar os bancos tão suadamente conquistados da gloriosa Universidade de São Paulo.
As aulas magnas de todas as unidades ficam com lotação máxima. É preciso ver o ídolo de perto. Não é sempre que se pode ver e tocar (para os mais afoitos) João Adolfo Hansen, Betina Bischof, Ismail Xavier, Vanderlei Bagnato, (com sorte) Alfredo Bosi. É quase como tocar o céu por um segundo.
Acho bonito a euforia inicial... Me vejo neles... Não se trata nem do meu “eu” antes, trata-se do meu “agora”.
Eu ainda, por incrível que pareça, estou na fase do “quero mudar o mundo”. Será que vou querer até quando? Sempre me pergunto isso...
Outro dia, no filme Shortbus, ouvi uma frase incrível de umas das personagens:
- Antes eu queria mudar o mundo, agora eu só quero sair daqui com um pouco de dignidade.
Eu quero muito mais... Eu ainda quero fazer alguma coisa por este mundo aqui, deixar algo válido. Hoje, já penso que apenas apontar e perceber as coisas é alguma coisa, é mais do que a maioria consegue.
A USP fez isso por mim, me mostrou que sonhar é importante, sonhar é o que nos move na direção do alto, para o belo, o diferente, o além...
Para a bixarada, meus parabéns, desejo que a USP faça por cada novo bixo aquilo que fez por mim, mudou minha vida.
Eu vou continuar rezando pelo momento que eles vão se tocar que não precisam ser tão desesperados. Vão descobrir que a média é 5, que tem recuperação, que na USP não tem DP, afinal nós não pagamos, nós trancamos e fazemos de novo...
Não vou dizer que será fácil porque não será... Estudar na USP é matar um leão por dia. Se você imagina que passar no vestibular foi o auge das conquistas produtos de suas incríveis proezas juvenis, você descobrirá que a sua grande proeza será cumprir todos os créditos necessários para se formar. Incluindo as malditas matérias obrigatórias.
Vai descobrir que quando se estuda na USP é preciso ter uma idéia original para escrever um trabalho, que este trabalho tem que estar nas “normas da ABNT”, que você nem sabe o que é no primeiro ano.
No meu primeiro dia de aula deste ano, minha querida professora Elaine Sartorelli disse que eu sou uma estudante profissional. Alguns riram... Acham graça no fato de eu gostar tanto de estudar... Fazer o que? É a minha paixão.
Na verdade, ela me fez um grande elogio, sabe o que isso quer dizer?
Que aprender é comigo mesmo... Estou sempre aberta a aprender e sou estudante incansável. Após uma hora dentro de um ônibus lotado, num calor que 30 graus, ainda tenho ânimo para sorrir porque finalmente o ar da USP entra em meus pulmões. O cheiro do verde, do prédio antigo e a mesma velha e boa direção de pensamento. Estamos um passo à frente sempre, repudiamos o pensamento dominante.
Para vocês que passaram no vestibular e estão tão empolgados com a novidade que mal podem respirar, segue uma frase que figura nas camisetas vendidas nas lojinhas da universidade:
Estudar na FEI, R$ 1.500 mensais;
Estudar na Mackenzie, a partir de R$ 800 mensais;
Estudar na Metodista, a partir de R$ 800 mensais;
Estudar na USP, não tem preço porque tem coisas que o dinheiro não compra.
Bem-vindo!

2 comentários:

Tiago disse...

escondendo o ouro, dona flavia...

DANE DUSCHENES disse...

sim, domingo. eu sou um vacilo. prometo que da próxima. beijo.